3335-2680 [email protected]

 

Você sabia que, segundo o SEBRAE, 1 em cada 4 empresas fecham as portas antes de completar 2 anos? Pode-se listar uma série de fatores que levam a esse resultado. mas destaca-se, 7% dessas empresas fecham por falta de lucro, 20% encerram o negócio por falta de capital e quase 50% dos pequenos empresários do Brasil não sabem afirmar se têm lucro ou prejuízo (dados do SEBRAE). Desse modo, pode-se concluir que grande parte das empresas fecham por falta de um controle apropriado de seus recursos e de uma gestão financeira insuficiente. 

 

Deve-se ressaltar que mesmo as micro e pequenas empresas devem levar em conta a importância de possuir uma gestão financeira adequada, visto que hoje em dia, graças ao cenário mercadológico cada vez mais competitivo, destaca-se quem consegue, além da oferta de produtos e serviços de qualidade, uma otimização de resultados com diminuição dos custos, alcançando-se então uma maior margem de lucro. 

Tendo em vista o impacto desse aspecto nos resultados de seu negócio, nesse artigo abordaremos os  riscos de não possuir uma boa gestão financeira.

 

1. Controle de caixa ineficiente

Muitas empresas apresentam dificuldades no que diz respeito ao controle de fluxo de caixa, deixando de fazê-lo ou fazendo-o de forma incompleta, de modo que não sabem com exatidão quais foram as entradas, as saídas, o número de vendas, entre outros indicadores,  o que acarreta uma série de complicações como:

 

  • a falta de previsão de faturamento;
  • não saber o quanto deverá ter de saldo para pagar suas despesas em certo período de tempo;
  • as métricas e indicadores como ponto de equilíbrio, DRE, mark-up, utilizados para avaliar o desempenho da empresa, tornam-se deficientes de modo a não representar com fidelidade a realidade, provocando erros, atrasos, precificação de produtos e serviços erradas, etc.

 

De uma forma geral, a falta de histórico de fluxo de caixa prejudica a análise de desempenho e a tomada de decisões em todos os aspectos da empresa.

 

2. Atraso no pagamento de contas;

Em decorrência direta do problema anterior, podemos citar o atraso no pagamento de contas como consequência da falta de dinheiro em caixa para honrar com as obrigações em dia. Isso afeta diretamente o relacionamento da empresas com seus fornecedores, podendo ocasionar, rompimento de contratos, descompromisso com prazos de entrega, perda de benefícios como descontos em volume de compras, entre outros. Sem contar com os gastos financeiros e de esforços na busca por novos fornecedores.

Além disso, quem paga as contas depois da data de vencimento sempre sofre com as multas e juros. No fim das contas, isso consome a margem de lucro das atividades operacionais. 

 

3. Perda da confiabilidade de clientes;

Nesse ponto é importante ressaltar que cliente não se trata apenas de consumidores finais, mas de fornecedores, funcionários, e de todos os aqueles que participam e são fundamentais em todo o processo. Perder a confiança deles significa diminuição de resultados e consequentemente prejuízos, sem sombra de dúvidas.

Atrasos de salários, resultam em funcionários desmotivados o que, em um cenário empresarial, provoca perda de produtividade e de resultados. Se os resultados caem, o produto e/ou serviço entregue ao cliente também. Como consequência, clientes insatisfeitos e que não comprarão mais, prejudicando assim o faturamento futuro. 

Como pode-se perceber, tudo ocorre como uma bola de neve, onde um aspecto da organização afeta o outro e assim por diante. E tudo isso depende da qualidade do controle financeiro da empresa. 

 

4. Distribuição de recursos insuficientes;

Através de uma boa gestão financeira, uma empresa é capaz de, por meio do planejamento estratégico, definir como e quais recursos poderão ser investidos em cada setor da empresa, pensando sempre no aumento de resultados. 

Se o controle é precário, por consequência, os recursos não conseguem chegar aos setores: o marketing não recebe investimentos para estudos de clientes e propagandas; a produção tem sua estrutura limitada; recursos humanos não consegue oferecer melhores condições de treinamento e capacitação e assim por diante. Ou seja, o desempenho de uma forma geral é afetado.

 

5. Queda no faturamento

Todo esse cenário explicitado deságua direto no faturamento da empresa. Se as organizações internas não rodam com maestria, se há quedas no desempenho dos funcionários, se os laços com os stakeholders estão rompidos, e se o dinheiro só entra em caixa para pagar as despesas do mês, o resultado não poderia ser outro: o faturamento está em queda e por consequência, o lucro de seu negócio também!

Diante desse contexto, percebe-se que uma gestão financeira eficiente é capaz de prevenir e evitar uma série de problemas em seu negócio. Um olhar atencioso para essa área da empresa pode ser determinante na definição de seu sucesso e a mesma terá grande chance de estar fora da porcentagem de empresas que fecham por conta da má gestão de seus recursos.

Está em dúvida se sua empresa se encaixa nesse cenário? Não exite em nos contatar!